sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Com a língua nos olhos





A Bahia é um barril sexy de melanina explosiva. Canudo na boca, balbucio pra mim mesmo essa conclusão enlatada de um jeito incompreensível, enquanto chupo com força um punhado de vodka e suco de maçã verde. 

Era tarde e a madrugada soteropolitana no Rio Vermelho um amontoado de olhos que me lambiam como se a saliva tivesse secado da boca. 

Muitas promessas de carne e de sonho pairavam evidentes na superfície. Carne temperada, sonhos também - nenhuma ingenuidade. O pecado é que tanto calor frio normalmente produz nada além de chama que não queima. 

Mal sabiam que meus olhos, fingidos que só, arriscavam coisa outra. Eles, parecendo putinhos e também como língua, eriçavam suas papilas gustativas sem pudor. Mas onde os desavisados buscavam o sabor do falso exótico, eu sonhava encontrar uma doçura não mascarada pelo excesso de dendê.

Um jeito de sorrir mais contido, uma não-pretensão de seduzir, um desejo não declarado que mal consegue se camuflar. Ahhhh! Quer coisa mais saborosa que isso?

E de repente, eis que meus olhos lambem e gostam. Se amarram, se perdem ali. Tudo sutil, se sutil também pudesse ser voraz. 

Da visão ao tato, o que vem a seguir é uma noite de perder-se. Quisera eu perder-me somente ali, onde me encontrei. 

Mas não! O barril por fim explode. Meu corpo é jogado violentamente contra outros, agredido, profanando pela fome que devora a noite. 

Salvo-me por aquele olhar que lambido lambeu-me (a alma?) e que agora, com sexo e doçura, estende-se como uma mão que me retira dos destroços da explosão e me cura ao instante, ainda que as feridas continuem abertas. 

Assim os beijos, o corpo entregue, as palavras não ditas e sobretudo meus olhos, fingidos que só, naquele momento nunca foram tão sinceros.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

PALAVRAS CUSPIDAS

Houve um tempo em que pensei que as palavras brotassem de mim. E quando penso nisso, lembro da aula de biologia e do xixi na garrafa que, acreditaram, gerasse vida. Geração espontânea. Mas nada é espontâneo.

Eu era rapazinho e no meu mundo de timidez e dúvidas encontrava conforto somente em me sentir especial por conseguir cuspir palavras juntas que juntas pareciam aludir a qualquer coisa: um sonho, um desejo, um medo, um castigo.

Lembro bem que naquele tempo, como todo garoto, eu tinha meus super heróis prediletos. E sempre como todo garoto, na minha fértil imaginação, passava dias a me sentir um deles. Sem capa, espada ou telecinese, meu super poder era escrever. O que viesse em mente, o que me serrava os olhos, o que era incompreensivel pra boca dizer.

Crescendo, continuei a cuspir palavras. Escrevia porque acreditava saber escrever e basta. Juntava sonoridades e sentidos, o que não fazia disso mais do que cuspir. E fui cuspindo até um dia engasgar e sentir cada palavra arranhar minha garganta e furar minha língua. As palavras passaram a ter sentido ou descobri o sentido que sempre tiveram.

Formei-me jornalista pelo desejo de contar histórias. Não demorou para que eu me frustrasse ao perceber que mais encantadoras que as histórias poderiam ser a palavras escolhidas para contá-las. O tempo ajusta as coisas e também não demorou pra eu que entedesse que somente as boas histórias levam às melhores palavras. Palavras que por sinal nunca estão na superfície - tem que se buscar no fundo: dos fatos e da vida.

As palavras sinceras, aquelas que realmente dizem, não brotam. São palavras arrancadas pelo desejo de manifestar a intensidade da dor ou da beleza, da indignação ou do orgulho, do ódio ou do amor, daquilo que nos faz ser mais do que um punhado de carne e sonhos.




segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Doses de verdade







Tem sido sempre mais raro, mas existem aquelas manhãs carregadas de verdade. Bem cedo, a luz que atravessa a fresta da janela parece fazer força para entrar, range a madeira, como se acumulada lá fora e, tal qual massinha de brincar que você aperta violentamente com as mãos, a verdade explode entre os dedos, as frestas. Explode querendo se esparramar num espaço dela vazio, meu quarto, eu. 

Hoje me embriaguei naquele feixe de luz que quis me alimentar antes do primeiro café, que bebo com duas colheres de açúcar. Só que veio amargo, como pra me lembrar que adoro adoçar verdades. Adoro, por exemplo, dizer que existem muitas vidas possíveis. E existem sim, mas a maneira de vivê-las se resume a decidir ou não decidir convictamente e, consequentemente, sustentar as decisões ou não decisões convictas. Os indecisos são apenas platéia e apoio. Na sua existência limitada, cabe a eles apenas assistir, nos dois sentidos da palavra. 

Levanto-me num salto e quase arranco a cortina para tentar abrir a janela inteira, num único ato cheio de ânsia, desespero e ainda sono. A luz entrou de uma vez e me cegou, não vi mais nada. 
São pequenas as doses em que se revela a verdade. 

terça-feira, 4 de junho de 2013

Quase viver, jamais

Há um ano quase morri. Volante, sono, árvore, fratura no pescoço, erro médico, cirurgia: quase morri. Provavelmente quase morri muitas vezes, como a maioria de nós que um dia já atravessou uma rua correndo. Mas dessa vez foi um quase bem mais quase. Lembro que aos 8 anos por muito pouco não fui atropelado. Retorno da escola, avenida, chevrolet branco, frenagem brusca: por pouco. O carro rodou na pista e voei. Mas não saí voando pelo impacto e sim pelo susto mesmo. Dei um salto olímpico e dali corri sem querer ver o circo armado, coisa de pivete. E pensando bem, contar as quase-mortes pode ser útil pra caramba. Pois na minha matemática devo mantê-las sempre superiores às vezes que quase vivi. Quase viver é já estar podre antes do último suspiro, é sorrir sem alma, é o desencarno do sonho. Às vezes me cobro por não viver tudo a fundo. Mas quando penso que me permiti e me permito viver coisas que nem estavam no meu itinerário, vejo que vivo o que tenho que viver e arrisco naquilo que nem seria, vivendo uma totalidade improvável, que pode ser curta, mas jamais um "quase". Viver o que nem se deveria viver é viver mais. É também arriscar mais. Mas jamais é quase viver.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Não conte a ninguém




Fecho bem apertado meus olhos
Encurralo na retina o último feixe de luz
Amor brilha, sabia?
E aqui dentro é só meu. 





É guerra

O dia começa. Que reuna-se o batalhão de horas que quer ver meu fim. Terá de ser exército numeroso e audaz, como sempre. Queimarei cada soldado desse tempo com meu fogo. Vou acreditar que danço um tango com eles, mas é guerra. Porque cada minuto não há de ser de paz se a vida grita pedindo resgate. Dirão que essa é guerra perdida. Tolo quem se amortece na crença. Não aceite jamais. Pois a vida é luta e não seria vida se luta não fosse. Viver não é apenas lutar, fácil seria se o fosse. Viver realmente é vencer. Cada segundo.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Manhã que rasga


Tem gente que vive leve. Eu, intenso. Pra uns os raios de sol da manhã acariciam a pele suavemente. Pra mim, as manhãs invadem a carne, estupram sentidos, renovam a saliva da boca. Porque mais um dia significa sede e fome do que não se sabe, fermento de desejo, rabisco de sonho, mais um.